Suicidios

[Suicidas][bleft]

Torturas

[Tortura][grids]

O Palhaço Assassino: John Wayne Gacy Jr. - Especial

Especial do "Palhaço Assassino" Exclusivo no CreepyPasta Dark.
  •     Matéria sobre o Palhaço Assassino
  •     Dois Poemas sobre ele
  •     Musica Sobre ele com Clip e Letra Traduzida
  •     Trailer e Informações Acerca do Filme
  •     Creepypasta curta sobre ele

Nota: John Wayne Gacy Jr. teve uma vida muito sofrida e traumatizada, fizeram videos e poemas para ele, ate mesmo um documentário  dentre todos os psicopatas esse é o meu favorito, sua vida foi dificil, complicada, complexa... para a época ele tinha uma mente brilhante e cheia de problemas, tinha trauma em ser homossexual por conta do pai, então tinha relações sexuais com jovens e os matava logo para não admitir que era gay nem para que ninguém soubesse, aconselho ler sua historia antes dos poemas, videos, musica e filme.



O Palhaço Assassino
Nome: John Wayne Gacy Jr. 
Nacionalidade: Americano 
Assassinatos: 33 ou Mais



John Wayne Gacy Jr., nascido em Chicago em 1942, teve uma infância traumática: era espancado e chamado de "bichinha" pelo pai alcoólatra, sofreu um traumatismo craniano aos 15 anos, e em 1968 foi preso por estar praticando atos sexuais com um jovem no banheiro de um bar. Gacy começou a matar em 1972, e suas vítimas eram todas do sexo masculino. Os rapazes recebiam propostas de emprego, iam até a casa de Gacy, eram embebedados, amarrados em uma cadeira e violentados.

Como um lobo da noite, Gacy saia à “caça” pelas ruas de Chicago dirigindo seu Oldsmobile preto em busca de vítimas. Chegava em rapazes e oferecia empregos em sua construtora. Por agir durante o dia, a mentira do “emprego” caía bem e muitos rapazes aceitavam a “carona” até a empresa de Gacy. Quando a vítima não aceitava, Gacy partia para o “Plano B”: oferecia maconha e dinheiro caso o rapaz fizesse sexo com ele. Uma vez dentro do carro, Gacy atacava suas vítimas com clorofórmio. Com a vítima desacordada, a levava até sua casa. Amarrava-a e iniciava a sessão de tortura com diversos instrumentos. Muitas das vezes garotos iam até a casa de Gacy a procura de emprego. Gacy então os convidava para entrar e mostrava o “Truque das Algemas”. Uma vez algemados, os garotos eram dopados e molestados sexualmente por Gacy. Mas antes, para que ninguém escutasse os gritos dos garotos, Gacy os amordaçava com suas próprias cuecas. Era sua assinatura. Muitas das vezes as torturas eram feitas, segundo Gacy, por uma de suas personalidades, “O Palhaço”. Vestindo-se de Palhaço Pogo as torturava lendo passagens da Bíblia. Depois da tortura e dos abusos sexuais, Gacy estrangulava suas vítimas usando um instrumento conhecido como Garrote. Instrumento o qual foi apreendido na primeira busca que a polícia fez na casa de Gacy


John Wayne foi pego em 1978. Sua empresa prestou um serviço de reforma a uma loja, e nesta loja Gacy convidou um jovem a trabalhar em sua firma. O jovem, quando foi encontrar Gacy à noite, disse a amigos o que estava indo fazer. Quando se notou o seu sumiço, a polícia foi à casa de Gacy e sentiu o odor pútrido da morte. Entretanto, não foram encontrados corpos, mas: sedativos, algemas, livros sobre homossexualismo, instrumentos para “jogos” sexuais, uma pistola, um pênis de borracha, maconha, além de objetos que aparentavam não pertencer a Gacy.

A polícia começou a periciar as evidências e instituiu vigilância sobre ele. Descobriu-se então sobre o seu passado ( a condenação em outro estado) e que vários empregados seus, que geralmente eram menores, haviam desaparecido. Acabaram voltando à sua casa que ainda tinha aquele cheiro horrível. Resolveram escavar. Foram encontrados nada menos que 28 corpos enterrados! Mais cinco foram resgatados nos rios. Já preso, John Wayne Gacy tentou culpar “Jack Hanson”, uma suposta segunda personalidade sua. Em um depoimento, desenhou um mapa com a disposição dos corpos – em seguida, aparentou desmaiar. Quando “voltou a si”, disse que foi “Jack” o autor do desenho. Os vários psiquiatras que o entrevistaram não quiseram embarcar nesta história, embora tenham feito várias hipóteses para o diagnóstico: “pseudoneurótico esquizofrênico paranóico”, “personalidade borderline”, “sociopata”, “narcisista”, “mentiroso patológico” etc. Gacy era contraditório em seus depoimentos, e em um deles disse lembrar-se de apenas cinco homicídios, e de forma incompleta – sendo que, além disto, as memórias pareciam não ser suas, e sim de outra pessoa, conforme disse.

Em 1988, Gacy foi condenado a 21 prisões perpétuas e 12 penas de morte. Enquanto aguardava no Corredor da Morte do Menard Correctional Center de Illinois, Gacy - apelidado pela imprensa de "Palhaço Assassino" - passava o tempo fazendo desenhos infantis, especialmente palhaços. Suas ilustrações são consideradas itens de coleção, e alcançam altos preços no mercado.

Na prisão, ainda ganhou bastante dinheiro – com as pinturas que fazia (especialmente populares eram as de palhaço e auto-retratos, mas também retratou Jesus, Hitler, personagens da Disney, outros criminosos etc.) e com outros métodos, como um serviço telefônico pago que criou, onde a pessoa que ligava podia ouvir sua alegação de inocência. Suas pinturas chegaram a fazer parte de exposições.

Tinha uma rotina obsessiva na cadeia: anotava cada ligação, carta ou visita recebida, e até mesmo o que comeu. Conta-se que, nos 14 anos que esteve preso, passou a abusar de álcool e tentou suicídio.

Pouco antes de morrer, em 1994, de injeção letal, já sedado, pronunciou suas últimas palavras: “Kiss my ass!” ( Beije minha bunda!” ou “Beije meu cu!”, traduza como preferir…)


Instrumentos de Tortura usado por Gacy


 Escavação para Achar os Corpos Enterrados


Corpo Encontrado em Decomposição após a Escavação



Poemas:


Capítulo 1
A Letter For Daddy
Eu iria casar com uma linda moça.
Eu iria tem lindos filhos com ela.
Ele seria médico, ela professora.
Eu envelheceria ao seu lado, e morreria ao seu lado.
Essa é a vida ideal que você deseja?
Talvez eu deseje isso também.
Mas agora meus cabelos brancos começaram a surgir.
Eu sou um velho nojento, eu sou uma bichinha.
Pois é papai, você conseguiu.
Ainda guardo aquela ferida na cabeça que você me deu.
Ainda doí.
Você subiria do inferno, para dar um beijinho nela?
Que nem você dava um beijinho na mamãe depois de bater nela?
Ainda me lembro disto papai, mas não importa.
Eles disseram que eu ainda posso desenhar, isto não é maravilhoso?
Estou sentadinho, me comportei direito.
Mas eles não vão me soltar, não é papai?
Me lembro daquele tal palhaço, o meu único amigo.
Aquele que ficou ao meu lado mesmo quando minha mão ficou suja com o vermelho.
Aquele que me ajudou a guardar aqueles garotinhos no porão.
Aquele que me fez levar prazer e dor aos mesmos.
Mas eu estou feliz, ele esta aqui do meu lado.
Eu estou vendo ele, papai.
Ele me disse que eu vou para um lugar melhor,
Que eu sou diferente,
Que eles não podem me ter por perto,
Que eu não me comportei.
Mas qualquer coisa eu te amo mamãe.
Quanto ao papai, ele vai ficar bem no inferno.
Onde é o lugar dele.

Capítulo 2
The Corridor
De branco e listrado
Com duas algemas na mão
Os dois lacaios, me levam para a execução
É um enorme corredor
O que haveria no final?
Eu gostaria de pensar assim
Mas a resposta eu já sei
Eu vou para o céu, não é?
Eu carrego uma cruz
Vinte e nove cruzes, para ser exato
Eles me interrogaram e me encheram o saco
O que eu acho das minhas vítimas?
"Eles eram um bando de gays e vagabundos inúteis"
Porque agem como se não fossem
Eles mereciam isso certo?
Eles tinham tudo,
Eles tinham mamãe,
Eles tinham papai,
Eles tinham amor
Porque eu não posso também?
Gostaria de ir embora com a minha fantasia
Aquela com que eu enfiei meu orgão nas minhas vadias
Vocês precisavam ver,
Eles gritaram
Se debateram
E finalmente morreram
Igual a mim
Eu já estava morto por dentro há muito tempo
No fim do corredor veio uma luz
No fundo da luz havia uma porta
E ao entrar pela porta, uma linda cadeira
Uma cadeira bonitinha feita de madeira
Eu particularmente gostei das amarras
Tinha uma janelinha do lado
Que triste, não havia ninguém
Apenas um vácuo assim como eu
Um enorme vazio sem ninguém
Ele virou para mim e disse:
''Ei, suas últimas palavras''
Minhas últimas palavras?
"Beije minha bunda"

Músicas:

John Wayne Gacy, Jr (Traduzida)
Seu pai era um bêbado e sua mãe chorava na cama
Dobrando as camisetas de John Wayne, quando o balanço acertou sua cabeça
Os vizinhos, eles o adoravam
Pelo seu humor e sua conversa
Olhe debaixo da casa
Ache algumas coisas vivas, apodrecendo rápido, em seu sono
Oh, os mortos
Vinte e sete pessoas
Talvez mais, eram garotos, com seus carros e empregos de verão
Oh meu Deus
Você é um deles?
Ele se vestia como um palhaço para eles
Com seu rosto pintado de branco e vermelho
E em sua melhor atitude
Num quarto escuro, na cama ele beijou a todos.
Ele mataria dez mil pessoas
Com a leveza de sua mão, rompendo longe, rompendo rápido nos mortos
Ele tirou toda as suas roupas por eles
Ele pôs um pano em seus lábios, mãos silenciosas, beijo silencioso na boca
E na minha melhor atitude
Eu sou igualzinho a ele
Olhe debaixo das tábuas do assoalho
Para os segredos que escondi

Sufjan Stevens-  John Wayne Gacy Jr.
His father was a drinker and his mother cried in bed
Folding John Wayne's t-shirts when the swingset hit his head
The neighbors they adored him
For his humor and his conversation
Look underneath the house there
Find the few living things, rotting fast, in their sleep
Oh the dead
27 people
Even more, they were boys, with their cars, summer jobs
Oh my God
Are you one of them?
He dressed up like a clown for them
With his face paint white and red
And on his best behavior
In a dark room on the bed he kissed them all
He'd kill ten thousand people
With a slight of his hand, running far, running fast to the dead
He took off all their clothes for them
He put a cloth on their lips, quiet hands, quiet kiss on the mouth
And in my best behavior
I am really just like him
Look beneath the floor boards
For the secrets I have hid

Documentário Sobre John Wayne Gacy Ainda Vivo com Entrevistas:




Título Original: Gacy
Sinopse: Em 1978, a polícia de Chicago fez uma busca na casa n° 8213 da West Summerdale Avenue, interrogando seu morador, John Wayne Gacy, palhaço amador muito querido pelas crianças da cidade e que dificilmente cometeria algum crime. Leve engano. Antes de deixarem o local um dos policiais estranhou um cheiro desagradável na casa; "É só um entupimento nos canos de esgoto", explicou Gacy. Mas os policiais decidiram investigar mesmo assim. No porão, sob um alçapão oculto, foram encontrados os restos de vinte e nove garotos entre nove e vinte e sete anos, com sinais de tortura, violências sexuais e estrangulamento.
Baseado em uma história real.


Em DVD- 13 de Maio de 2003 (Brasil)
Elenco:Adam Baldwin (John Gacy, Sr.)
Allison Lange (Gretchen)
Charlie Weber (Tom Kovacs)
Eddie Adams (Duane)
Estreou no Brasil: 13 de Maio de 2003

Cena do Filme:



Creepypasta: 

Era uma vez um casal, que tinham ido jantar fora e tinham deixado os filhos com a babysistter, que era muito querida por eles, e de confiança. Tudo estava a correr bem até que o pai recebe um telefonema da babysitter. Preocupado, pensando que umas das crianças estava com algo como, uma alergia, engasgada com alguma coisa, ou até um acidente, atendeu logo

- Sim? ah Emily... O que aconteceu? Algo grave?

- Nada de mais patrão, só queria perguntar uma coisa. Posso tirar a estátua de Palhaço do quarto dos seus filhos? É que ele está assustando as crianças... - Disse a babysistter

O pai perplexo, fica pálido, e com uma voz eufórica ao telefone diz:

- Tira as crianças de casa! JÁ!

- Por quê?!

- Nós não temos nenhuma estátua de palhaço!

A babysistter correu para o quarto, mas quando chegou lá, já era tarde. Encontrou as crianças, com uma enorme mancha de sangue na cama, elas estavam mortas e desmembradas.
Ela saiu correndo da casa, viu uma viatura passar rondando a rua, e contou tudo à polícia.

Até hoje ninguém sabe o que aconteceu realmente com as crianças, só que dizem que esse palhaço, entra nas casas onde haja crianças, finge-se de estátua e mata as crianças quando menos elas esperarem...

 

Relatos

[Relatos]twocolumns]