15/10/2014

A desgraça

Estava pesquisando na internet e achei esse blog, então, resolvi enviar a minha história verídica.
Imagem relacionada

Muitos hoje em dia usam o termo desgraça para xingar algo ou alguém. Eu uso, quer dizer, usava, para os dois termos.
Minha mãe sempre me dizia que essa palavra faz referencia ao capeta, mas eu nunca levei ela a sério nesse ponto. Ela contava também que meu pai vivia falando isso, e as coisas só deram erradas pra eles, ate que o dia em que ele parou, tudo começou a melhorar.
E foi ai que tudo começou. A gente sempre viveu não muito na riqueza, mas a gente tinha casa boa, carro bom, roupas boas, comida... Sempre que eu e meu irmão queria algo, conseguíamos. Até então, meu irmão começou a falar a merda de palavra ''desgraça''. De 100 palavras que ele falava, 200 era desgraça. Minha mãe sempre pedia para que ele parasse, mas nada. Um dia, a gente estava nos quartos assistindo tv, mexendo no computador e jogando vídeo game, quando um fedor de queimado nos surpreendeu: de repente o ar condicionado estava piscando as luzes, e queimou; a televisão começou a apagar do nada, que também queimou logo em seguida. Quando notamos, parte da casa tinha queimado tudo: geladeira, televisão, ventilador, luzes dos banheiros e por ai vai. 
Não parou por ai não, ainda teve o momento em que fomos desligar os aparelhos para evitar mais queimaduras, e então, logo que apertei o botão do computador para desligar, ele queimou. O mesmo aconteceu com o computador do quarto do meu irmão, ele foi desligar, e também foi surpreendido pelo fedor de queimado, que por fim, era o computador que havia queimado. 
Isso tudo ocorreu por volta das 20:00, e ligamos para o fornecedor de energia do RS e eles disseram que não podia vir pois não tinha técnico.  As 03:03 da manha foi que apagou tudo e por incrível que pareça, essa é a hora que a maioria considera como ''a hora do bicho''.
De manha, quando fomos pra escola  as luzes já tinham voltado e então, seguimos a vida com o cotidiano de sempre. 
Meu irmão continuou falando a mesma palavra, e minha mãe sempre mandando ele parar, e ele nada. Continuando assim, na semana seguinte, meu pai foi assaltado, digo, roubado. Levaram o carro, notebook e a mala de viagem. 
Logo então, indo pra aula de inglês, a bicicleta do meu irmão furou o pneu no lugar mais perigoso da cidade, e hoje, contando essa história, aconteceu um acidente com minha família e ninguém sabe até agora o que aconteceu com eles e onde estão 

Um comentário: