27/01/2016

Fatos sobre Lúcifer e outros reis do Inferno

Você não precisa ser um grande fã dos Rolling Stones para já ter ouvido a música “Simpathy for the Devil” alguma vez na vida. Talvez você só nunca tenha analisado a letra e, se esse é o caso, a gente já começa dando uma ajudazinha.
Os primeiros versos já vão apresentando quem é o cara: “Eu estava por perto quando Jesus Cristo teve seu momento de dúvida e dor, certifiquei-me de que Pilatos lavasse suas mãos e selasse seu destino”, “gritei alto ‘quem matou os Kennedys?’ quando, no final das contas, fui eu e você”, “prazer em conhecê-lo, espero que tenha adivinhado meu nome”.


No início da letra, o “por favor, permita que eu me apresente: sou um homem de riquezas e bom gosto; estive por aí por muitos, muitos anos, roubei a alma e a fé de muitos homens” já deixa claro que Mick Jagger está cantando uma música sobre ele, o coisa ruim, o tinhoso, o cão, o demônio, o anjo do mal, o diabo: Lúcifer.

Lúcifer: quem é? Onde vive? De que se alimenta?

A palavra Lúcifer significa “Portador da Luz” e foi usada como termo genérico para se referir a Vênus. Ao longo da História, Lúcifer foi o nome utilizado para, como na música acima, falar a respeito do “coisa ruim”. Em Isaías 14:12 há o trecho “Como caíste desde o céu, ó Lúcifer, filho da alva!”. O trecho pode nos fazer entender que, de fato, Lúcifer é o “anjo caído”, como também é conhecido.
Na verdade, no mesmo livro, um pouco antes, em 12:4, há o começo da passagem: “Então proferirás este provérbio contra o rei de Babilônia”, sendo que o final da passagem, em 14:22, conclui: “Porque me levantarei contra eles, diz o Senhor dos Exércitos, e extirparei de Babilônia o nome, e os sobreviventes, o filho e o neto, diz o Senhor”.

Ou seja: no Antigo Testamento, Lúcifer se refere a um determinado Rei da Babilônia, que é considerado, no cristianismo, uma metáfora para o Príncipe do Mal. No cristianismo, Lúcifer não é o nome do demônio; na verdade, o uso de “Portador da Luz” tem a ver com Vênus, que some durante o dia.
A questão é que a Bíblia é um grande livro de metáforas que são interpretadas ao pé da letra, e o demônio, propriamente dito, não é chamado de Lúcifer em momento algum no livro – pelo contrário: em II Pedro 1:19, a palavra Lúcifer é utilizada para se referir a Jesus, sabia?

Vários nomes para o mal

A questão é que a humanidade dá nome às coisas desde que o mundo é mundo. Quando o assunto envolve o imaginário maligno que seria capaz de explicar algumas fatalidades, a variedade de nomenclaturas é realmente grande, principalmente se levarmos em consideração períodos históricos e crenças religiosas diferentes.
DYBBUK: essa é uma figura do mal para a cultura judia. Trata-se do espírito de um pecador que, de vez em quando, decide invadir o corpo de algumas pessoas. A vítima pode demorar algum tempo para perceber que está com o Dybbuk no corpo, mas, assim que a alma demoníaca se manifesta, o “hospedeiro” vai viver alguns dias de sofrimento.
Os judeus acreditam que esse espírito maligno só invade corpos de pessoas pecadoras, o que sustentaria o argumento de que é preciso “andar na linha” para evitar ser possuído pelo demônio.
RAKSHASA: tanto no budismo quanto no hinduísmo há quem sinta medo de Rakshasa, que são demônios raivosos capazes de mudar de forma, criar ilusões e fazer uma espécie de “magia do mal”. Esse demônio tem garras ou unhas tóxicas, que usa para capturar as pessoas que devora.
Rakshasas podem aparecer de diferentes maneiras: feios, bonitos, de “carne e osso” ou só em espírito, além de existirem em formas animais. O rei Ravana era o pior Rakshasa, conhecido por ter pelo menos dez faces, doze braços e muita destreza.

DJINNI: textos da cultura islâmica se referem a Djinni como um grupo de demônios de uma raça diferente da humana. São seres que vivem em uma realidade paralela à nossa. Essas criaturas são formadas de fogo e fumaça e são as únicas, além dos humanos, a receberem de Alá o livre arbítrio. São capazes de agir com benevolência, neutralidade ou maldade, portanto.
Para o islamismo, o demônio-mor era originalmente um Djinni chamado Iblis, que se recusou a se curvar para Adão e acabou sendo expulso do paraíso. Entre outros Djinnis famosos estão os Ifrits, que são criaturas malignas imunes às armas humanas. Esse tipo de demônio foi usado como referência em alguns episódios da quinta temporada de True Blood.
ABADDON: textos do judaísmo tradicional usam a palavra como um sinônimo de “destruição”, mas alguns textos mais modernos já associam a palavra a um ser do mal, temido por ter muito poder. Algumas versões do demônio o colocam como uma nova versão do anjo Muriel, que reuniu a poeira para criar Adão.
Ao que tudo indica, porém, a característica de anjo teve fim, afinal algumas descrições falam dele como uma figura maligna em um trono de vermes, comandando um exército de gafanhotos em forma de cavalos com rostos humanos e rabos de escorpião.

HADES: para a mitologia grega, Hades era o deus sombrio, das profundezas, cuja influência imperava no reino dos mortos, um lugar de luto e eterna tristeza. O nome de Hades era raramente dito em voz alta, pois as pessoas tinham muito medo do que ele poderia atrair.
O mundo de Hades era dividido em várias partes, sendo que a primeira era o Érebo, uma “sala de espera” para as almas que ainda não tinham sido julgadas, e havia também o Tártaro, uma prisão de titãs. Hades era quem julgava todas as almas e decidia o destino eterno de cada uma delas.
O deus sombrio da mitologia grega tinha um cão de guarda, Cérbero, um cachorro de três cabeças e cauda de dragão. Hades tinha um capacete que o protegia dos olhares alheios.
PISHACHA: que nome, hein! Acontece que, apesar da forma como é chamado, eis um demônio bastante temido nas religiões orientais. Geralmente se manifesta pelo espírito de uma pessoa que cometeu adultério, estupro ou outros crimes semelhantes. Os Pishachas podem mudar de forma e ficar invisíveis, além, é claro, de possuir humanos e sugar suas almas.
Os textos que descrevem esse demônio parecem concordar em dar um enfoque realmente sombrio às características dessa besta: é um humanoide com um tom de pele tão escuro quanto um vidro vulcânico, olhos vermelhos e veias saltadas cobrindo seus corpos. Medo.

O pacto do sacerdote francês


Entre os pactos mais famosos feitos com o tinhoso – não, não é o da Xuxa – está o do padre Urbain Granadier, um francês católico que resolveu negociar a própria alma com o capeta. Quando a traição foi descoberta, padre Urbain foi queimado na fogueira – ah, a justiça divina...
Ignorando todos os preceitos da Igreja Católica, Urbain não era um adepto do celibato e, inclusive, era famoso por ser “pegador”. Em 1632 um grupo de freiras acusou o padre de tê-las enfeitiçado, facilitando o acesso a alguns deuses malignos, que abusaram das religiosas.
Em seu julgamento Urbain foi torturado até confessar que havia assinado um pacto com diversos demônios. O pacto em si, que você vê na imagem acima, foi escrito em latim de trás para frente e tem, inclusive, a assinatura do próprio Satã. A seguir, leia a tradução do pacto:
“Nós, o influente Lúcifer, o jovem Satã, Belzebu, Leviatã, Elimi e Astaroth, juntos com os outros, aceitamos hoje o pacto de Urbain Grandier, que é nosso. A ele nós prometemos o amor das mulheres, as flores das virgens, o respeito dos monarcas, honras, luxúria e poder.
Ele vai se prostituir durante três dias, e vai gostar da farra. Uma vez ao ano ele deverá nos oferecer um selo de sangue, todas as coisas santas da igreja deverão ser pisadas por ele e ele vai perguntar a nós muitas questões. Com este pacto ele vai viver feliz por 20 anos na terra dos homens, e mais tarde vai se juntar a nós para pecar contra Deus.
Selado no inferno, no conselho dos demônios.
Lúcifer Belzebu Satã
Astaroth Leviatã Elimi
Selado pelo Diabo, o próprio; e os demônios, príncipes do Senhor”.

0 comentários:

Postar um comentário