30/03/2016

O monstro de Flatwoods


O monstro Flatwoods, também conhecido como o Monstro Braxton County ou o Fantasma da Flatwoods, é o nome de um suposto extraterrestre que teria aparecido na cidade de Flatwoods em Braxton County, (Virgínia Ocidental, EUA) em 12 de setembro de 1952. 


Há duas entidades associadas ao Monstro Flatwoods. O primeiro foi descrito como sendo uma grande bola de pulsação de luz vermelha que pairava acima ou repousava sobre o chão. Ufólogos acreditam que ela pode ter sido uma embarcação motorizada que foi pilotada por uma segunda entidade (pela parte de dentro do veículo que eles observaram).

Várias descrições da entidade existem. A maioria concorda que tinha pelo menos 3 metros de altura e tinha um rosto vermelho que pareceu brilhar a partir de dentro, já seu corpo tinha uma tonalidade esverdeada. Testemunhas descreveram a cabeça da criatura como tendo abaulamento, com olhos inumanos e grandes (a cabeça tinha a forma de um coração, como em uma carta de um Ás de Espadas). O corpo da criatura era descrita como sendo um homem vestido com uma saia de pregas escuras, mais tarde descrito como sendo verde. Algumas pessoas que presenciaram a aparição dizem que a criatura não tinha braços visíveis, enquanto outros descrevem-no como tendo braços avantajados, que terminam em forma de uma garra com longos dedos.

 
Histórico da aparição


Ás 18:15 da noite de 12 de setembro de 1952, dois irmãos, Eduardo e Fred May juntamente com seu amigo Tommy Hyer (idades 13, 12 e 10, respectivamente) testemunharam um objeto brilhante cruzar o céu. O objeto parecia ter caído (ou pousado) nas terras pertencentes a um agricultor local, G. Bailey Fisher.

Após assistir a queda do misterioso objeto do céu, os dois meninos foram para casa contar o que haviam visto para sua mãe, Kathleen May. Relataram também que o objeto estranho havia caído nas colinas. De lá, a Sra. May e seus filhos chamaram mais três meninos que moravam naquelas redondezas, Neil Nunley (14), Ronnie Shaver (10) e Eugene Lemon (17), foram para a fazenda de Fisher, em um esforço para localizar o que quer que fosse que os meninos tinham visto (curiosidade é um m#!@).


Logo após os 5 (juntamente com o cão de Kathleen) estavam vasculhando as redondezas tentando encontrar o misterioso objeto que havia caído do céu. Mais adiante o cão da Sra.Kathleen correu à frente quando de repente começou a latir freneticamente, e momentos depois correu de volta ao grupo com o rabo entre as pernas. Depois de andar cerca de ¼ de milha (400 m), o grupo alcançou o topo de uma colina, onde afirmaram ter visto uma vibrante e grande "bola de fogo" de cerca de 50 pés (15 m) à sua direita. Eles também detectaram uma névoa pungente que fez os seus olhos e narizes queimarem. Lemon então notou duas pequenas luzes mais à esquerda do objeto, debaixo de uma árvore de carvalho nas proximidades e dirigiu sua lanterna em direção a eles, revelando a criatura. 

Foi relatado que a criatura teria emitido um silvo estridente antes de deslizar em direção a eles, mudando de direção e posição em direção a luz vermelha. Neste ponto, o grupo fugiu totalmente em pânico.


Ao voltar para casa a Sra. May contatou o xerife, Robert Carr, e o Sr. A. Lee Stewert; co-proprietário de um jornal local. Stewert realizou uma série de entrevistas e retornou ao local com Lemon mais tarde naquela mesma noite, onde ele relatou que sentir "um odor doentio, ainda predominante. Odor de algo metálico". O Sheriff Carr e seu vice Burnell Long foram a área separadamente, mas relataram não ter encontrado nenhum vestígio do encontro.


De manhã cedinho, no sábado, 13 de setembro, o Sr.Lee Stewart visitou o local do encontro por uma segunda vez e descobriu duas faixas alongadas na lama, bem como vestígios de um líquido preto grosso. Ele imediatamente informou-os como sendo possíveis sinais de uma aterrissagem de discos com base na premissa de que a área não havia sido submetido ao tráfego de veículos durante pelo menos um ano. Ele mais tarde teria revelado que as faixas mais provavelmente pertencia a uma caminhonete Chevrolet 1942 dirigido por Max Lockard, que tinha ido ao local para olhar para a criatura algumas horas antes da descoberta do Stewert.

Após o evento, dois investigadores conversaram com populares e surpreendentemente puderam obter um enorme número de relatos de pessoas que teriam testemunhado fenômenos semelhantes aos que aconteceram com as 5 pessoas. Entre as diversas histórias/confissões estão a de uma mãe e sua filha de 21 anos de idade. Elas alegaram  ter encontrado uma criatura com a mesma aparência e odor uma semana antes do incidente de 12 de setembro. O encontro teria atingido a filha de forma tão dramática e traumatizante que ela havia sido confinada em um hospital por três semanas. Uma declaração da mãe de Eugene Lemon, na qual ela diz que na hora aproximada do acidente, sua casa tinha sido violentamente abalada e seu rádio tinha cortado por 45 minutos. Já o relatório do diretor do conselho local de Educação diz que ele afirmou ter visto um disco voador decolando às 6h30, na manhã de 13 de setembro (manhã, após o dia em que os 5 subiram a colina) 


Doença

 
Depois de encontrar a criatura, vários membros do 12 de setembro relataram terem ficado doentes. Eles afirmaram terem sentido sintomas semelhantes, que persistiu por dias.  Os sintomas incluíam irritação do nariz e inchaço da garganta. Lemon teria sido o mais afetado. Ele sofria de vômitos e convulsões durante a noite, e teve dificuldades em ingerir alimentos por causa das dores na garganta. Eles atribuem a doença ao nevoeiro emitido pela criatura. 
O médico que tratou as vítimas conta que os sintomas apresentados são semelhante às vítimas do gás mostarda, embora tais sintomas também são comumente encontrados em portadores de histeria, que pode ser provocada pela exposição a algum trauma ou evento chocante. 


Explicações convencionais sobre o caso


Após examinar o caso, Joe Nickell do grupo de investigação paranormal (CSICOP) concluiu que a luz brilhante no céu, relatados pelas testemunhas de 12 de setembro, foi na verdade causada por um meteoro e que a luz pulsante vermelha era provavelmente uma navegação de aeronaves / farol de perigo. Diz ainda que a criatura descrita pelas testemunhas se assemelhava bastante a uma coruja, animais bastante comuns nessa região. Segundo Joe, as pessoas não estavam mentindo sobre o ocorrido, somente estariam tendo visões distorcidas pelo elevado estado de ansiedade sentido. As conclusões são compartilhadas por vários outros pesquisadores, incluindo os da Força Aérea. 

Na noite do 12 de setembro, foi observado a queda de um meteoro em três estados dos EUA sendo eles, Maryland, Pensilvânia e Virgínia Ocidental. Haviam sido erroneamente reportados como aviões flamejantes colidindo com o lado de uma colina em Elk River, cerca de 11 milhas a sudoeste da localidade do avistamento Flatwoods. Três aeronaves vermelhas piscando balizas eram também visíveis a partir da zona do relato dos avistamentos, possivelmente representando a luz intermitente vermelho visto por testemunhas.

A forma, o movimento e os sons relatados pelas testemunhas também foi similar com a silhueta, e o padrão de vôo de uma coruja chamada de suindara. Os pesquisadores concluíram que a folhagem sob a coruja pode ter criado a ilusão de uma saia de pregas verdes. Os pesquisadores também concluíram que a incapacidade das testemunhas a respeito se a criatura tinha os braços ou não (combinado com o relatório de Kathleen de se ter pequenas garras que "estendia-se na frente dele") também combinava com a descrição de uma coruja com suas garras segurando um galho de árvore. 

No entanto outras pessoas argumentaram se fosse uma coruja que essas pessoas haviam visto no topo da colina, então porque é que elas não viram-na como tal mesmo depois de iluminar ela diretamente com a lanterna? 

Provavelmente nunca saberemos!





Fonte: Calafrio

0 comentários:

Postar um comentário