06/06/2018

Sepultamento celestial no Tibete (part 1)

O chamado sepultamento celestial é o principal tipo de sepultamento que ocorre no Tibete e em algumas áreas da região. Ele também ganhou o apelido de “esmola dos pássaros”.
Segundo a crença tibetana, a alma abandona o corpo no momento da morte. O corpo, sem a alma, não serve para nada, de modo que seria desperdício não usá-lo como fonte de ALIMENTO!
Tibetans Perform Celestial Burial Ceremony
Assim, o morto é servido como alimento para as aves necrófagas, como a última grande manifestação da caridade do morto.
Este método de sepultamento é o mais famoso e aos olhos de muitos tibetanos é o único que “faz sentido”. Uma exceção é feita apenas para o Dalai Lama e o Panchen Lama. Neste caso, seus corpos são embalsamados após a morte e depois eles são cobertos com ouro.
Tibetans Perform Celestial Burial Ceremony
 O processo se inicia na “Cidade das bandeiras de oração”. O lugar é uma plataforma criada para o enterro nas proximidades do mosteiro Chalan. Além do Tibet, o “Enterro celestial” é praticado também em alguns territórios indianos, como Ladakh ou Arunachal Pradesh.
Tibetans Perform Celestial Burial Ceremony
 É comum encontrarmos os parentes do falecido orando durante a cerimônia de funeral nas “Cidade das bandeiras de oração”.
Em 1959, quando as autoridades chinesas finalmente tomaram à força o território do Tibete, o rito foi completamente banido. Desde 1974, após inúmeros pedidos de monges e tibetanos, o governo chinês permitiu retomar o “funeral Celestial.”
Outro elemento comum no lugar são os abutres. Eles surgem voando entre as altas nuvens e se reúnem na “Cidade das bandeiras de oração”. Hoje existem cerca de 1.100 lugares como estes, criados para o enterro celestial. O ritual é realizado por pessoas especiais, chamados rogyapami.
Tibetan's Perform Celestial Burial Ceremony

Tibetans Perform Celestial Burial Ceremony



30/05/2018

Quanto vale um órgão no Mercado Negro?


Já pensou em vender um de seus órgãos para conseguir comprar um iPad novo, o mais recente smartphone da Samsung ou um PlayStation 3? O site Medical Transcription criou um infográfico que mostra o valor que olhos, rins, ombros e outras partes do corpo humano têm no mercado negro internacional.
Caso você esteja disposto a ceder seu baço, pode conseguir uma quantia de US$ 500 (935 reais, na cotação do dia 23 de abril). Já um rim em bom estado pode render nada menos que US$ 262 mil, suficiente para você bancar os medicamentos que vai ter que tomar pelo resto da vida. Os valores são referentes aos Estados Unidos: dependendo do país, os preços podem subir vertiginosamente ou cair de maneira radical.
Confira a lista completa dos órgãos relacionados pelo site:
  • Par de olhos – US$ 1.525;
  • Escalpo – US$ 607;
  • Caveira com dentes – US$ 1.200;
  • Ombros – US$ 500;
  • Artéria coronária – US$ 1.525;
  • Coração – US$ 119 mil;
  • Fígado – US$ 157 mil;
  • Mão e antebraço – US$ 385;
  • Litro de sangue – US$ 337;
  • Baço – US$ 508;
  • Estômago – US$ 508;
  • Intestino delgado – US$ 2.519;
  • Rim – US$ 262 mil;
  • Vesícula biliar – US$ 1.219;
  • Pele – US$ 10 por polegada quadrada.
O Medical Transcription esclarece que a maioria dos órgãos vendidos no mercado negro tem origem nos cadáveres enviados a funerárias. Normalmente, um funcionário do local é pago para retirar as partes do corpo que vão ser vendidas sem que a família tenha qualquer conhecimento da situação — quando a pessoa é cremada, não é incomum que a maior parte das cinzas entregues pela empresa não pertençam ao falecido.

Fonte: Mega Curioso

23/05/2018

5 Cidades fantasmas mais curiosas do mundo

Em tempos de superlotação global — afinal, somos mais de 7 bilhões de pessoas no planeta! — é difícil imaginar que existam por aí povoados inteiros que foram, pouco a pouco, sendo abandonados por seus habitantes, transformando-se no que conhecemos como “cidades fantasma”.
No entanto, esses locais — que não são poucos! — existem sim, e diversos deles são tão interessantes que acabaram virando populares destinos turísticos. Selecionamos para vocês sete dessas cidades, as quais você pode conferir na lista a seguir:

1 – Sanzhi, Taiwan


A curiosa localidade acima, repleta de casas futuristas que mais se parecem com naves espaciais, nunca chegou a ser ocupada. A versão oficial é de que o responsável pelo empreendimento faliu antes de completar a obra, destinada ao turismo.
No entanto, um importante jornal local revelou que milhares de esqueletos foram descobertos na área, e que inúmeros assassinatos teriam ocorrido ali. As informações jamais foram confirmadas, mas Sanzhi continua sendo uma cidade fantasma.

2 – Famagusta, Chipre


Na verdade, trata-se mais precisamente o bairro de Varosha que, na década de 70, era um espetacular destino turístico a beira-mar. Contudo, em 1974 toda a população fugiu do local durante a invasão turca ao país, e a área foi completamente cercada. Tudo foi deixado como estava — lojas, casas, refeições à mesa e até lâmpadas acesas —, e o bairro acabou ficando congelado no tempo.
Varosha continua sob o controle das Forças Armadas Turcas até os dias de hoje, e apenas os antigos moradores têm permissão — concedida pela ONU — para entrar na área, embora um que outro aventureiro se arrisque a atravessar as barreiras que rodeiam a localidade para fotografá-la.

3 – Castelnuovo dei Sabbioni, Itália

Este pitoresco vilarejo localizado na Toscana se encontra abandonado desde a década de 70. Entretanto, o local foi palco de um terrível massacre executado por tropas nazistas, que fizeram uma enorme fogueira com móveis e 78 habitantes. Outro fato sinistro relacionado com Castelnuovo dei Sabbioni, são diversas ilustrações como pentagramas, peixes e outras figuras estranhas, que até hoje ninguém conseguiu decifrar.

4 – Spinalonga, Grécia

Atualmente, a ilha Spinalonga é conhecida como uma importante atração turística da Grécia graças à sua longa história — e pela lenda de que uma sereia habita as águas próximas. Apesar de ter servido como fortaleza durante vários séculos, o local acabou sendo transformado em uma colônia para leprosos, que ficou em funcionamento até o final da década de 50, quando a cura para a doença foi descoberta.

5 – Kolmanskop, Namíbia


A cidade de Kolmanskop foi fundada no início do século 20 no meio do deserto depois que um funcionário de uma companhia de trens encontrou um diamante na areia. Porém, o preço desse mineral despencou depois do fim da Primeira Guerra Mundial, levando os habitantes a abandonar o local. Como você pode imaginar, as areias do deserto tomaram o vilarejo, que se transformou em popular destino turístico 
Fonte: Mega Curioso

16/05/2018

Hospital Estadual de Taunton - Massachusetts